"A poesia é também uma forma de filosofar, de tentar compreender o movimento da vida, dar-lhe algum sentido, traduzir-lhe para os outros seres, usando mais o sentimento do que a razão. Os ingredientes dessa arte de profundidade filosófica provêm das experimentações das situações que a própria vida fornece, tantas vezes, independente de nossas escolhas. E a tradução é sempre acompanhada de beleza, de leveza, porque não se prende a nenhum proprietário. A poesia se doa a todo aquele que se reconhece e se apropria daquilo que percebe nos seus versos. Está sempre em estado de transformação, sempre interagindo, sempre sendo traduzida segundo a emoção e o conteúdo interno daquele que lê, no momento em que lê. A poesia está sempre viva!"

Sônia Arruda

dezembro 22, 2011

Elementos

por Sônia Arruda

Queria um vento azul
Que me varresse os grãos
E, de teus sonhos, na tarde
Queria ser dossel marrom

Teu lugar de descanso
Fosse eu, ar, adoraria fazer
À sombra fresca das árvores
Que balançaria com prazer

E, choro de alegria, doce água
Lágrimas, das nuvens, vertidas
Molhando a alma abrasada
Marcada por eventuais feridas

Mas se, outro elemento
Pudesse ser, seria o que clareia
Esquenta teu corpo deitado
Fogo, que o desejo incendeia

Um comentário:

MARIA CATHERINE RABELLO disse...

Oi!

FELIZ ANO NOVO!!!
A CADA DIA TIRE UMA PEDRA DO CAMINHO E SEJA FELIZ.
QUE 2012 VENHA ILUMINADO!

FELIZ VIDA!