"A poesia é também uma forma de filosofar, de tentar compreender o movimento da vida, dar-lhe algum sentido, traduzir-lhe para os outros seres, usando mais o sentimento do que a razão. Os ingredientes dessa arte de profundidade filosófica provêm das experimentações das situações que a própria vida fornece, tantas vezes, independente de nossas escolhas. E a tradução é sempre acompanhada de beleza, de leveza, porque não se prende a nenhum proprietário. A poesia se doa a todo aquele que se reconhece e se apropria daquilo que percebe nos seus versos. Está sempre em estado de transformação, sempre interagindo, sempre sendo traduzida segundo a emoção e o conteúdo interno daquele que lê, no momento em que lê. A poesia está sempre viva!"

Sônia Arruda

março 26, 2012

Resistência

por Sônia Arruda

O tempo me falha
Apanho no ar o brado
Colho em rede tênue
Memórias sonolentas
Que não mais guardo

Folha seca se despede
Virar de páginas sereno
Na árvore que se despe
Do verde de primavera
Pro outono mais ameno

O presente some, então
Toca a cabeça nas nuvens
Foge, desliza, escapa
Só fica em mim a razão
Quase vai, mas empaca

Teimosa como o diabo
Dona da mão e do passo
Sua voz clama por guerra
Ata-me em forte laço
Os pés à segura terra


Nenhum comentário: