"A poesia é também uma forma de filosofar, de tentar compreender o movimento da vida, dar-lhe algum sentido, traduzir-lhe para os outros seres, usando mais o sentimento do que a razão. Os ingredientes dessa arte de profundidade filosófica provêm das experimentações das situações que a própria vida fornece, tantas vezes, independente de nossas escolhas. E a tradução é sempre acompanhada de beleza, de leveza, porque não se prende a nenhum proprietário. A poesia se doa a todo aquele que se reconhece e se apropria daquilo que percebe nos seus versos. Está sempre em estado de transformação, sempre interagindo, sempre sendo traduzida segundo a emoção e o conteúdo interno daquele que lê, no momento em que lê. A poesia está sempre viva!"

Sônia Arruda

julho 29, 2010

Mais uma folhinha...


















por Sônia Arruda

Chegastes sem fazer qualquer alarde
Menino tão quietinho e sereno
Inesperadamente esperado
Um lindo biscoitinho moreno!

Então te percebi meu Samuel
De corpo pequeno e longos dedos
Que já buscam humano contato
Mesmo vacilando entre os medos

Te entendi como folha verde
Que brotava do meu peito
Sempre pronto pra contar
História nova, de um novo jeito

E admirei, na folha em branco
Toda a possibilidade trazida
No teu olhar calmo que me fixa
E me faz sentir tamanha vida

E ao te pegar no colo, querido
Sentindo o teu cheirinho gostoso
Alegro-me de curtir doce momento
A vida é um presente precioso

Um comentário:

good news disse...

Adoro este poema. É uma pequena e delicada pérola encontrada na concha, que ao mesmo tempo que é represa, explode de todo amor.

Um beijo, Bella